Como proteger o paciente contra a radiação? Entenda a relação!

Como proteger o paciente contra a radiação? Entenda a relação!

24/10/2022 - Por: Ademar Junior

A radiação existe desde sempre e com o passar dos tempos a humanidade soube como aproveitá-la ao seu favor. No entanto, apesar de contribuir bastante para o avanço do planeta nos mais diversos sentidos, ela também pode prejudicar bastante a saúde de qualquer pessoa.

Ela só se torna perigosa quando administrada de forma errada, sem os equipamentos de radioproteção exigidos. Nesse sentido, é essencial que todo profissional da área saiba como proteger o paciente contra as radiações provocadas por exames médicos ou odontológicos. Saiba mais neste artigo preparado por nossa equipe, boa leitura!

O que é radiação?

A radiação está no mundo desde sempre, implicando diretamente na forma com que vivemos e em nossa qualidade de vida. Em suma, a radiação se trata de toda onda eletromagnética (ou partículas) que são propagadas em forma de energia.

Essa emissão pode ser advir dos mais diversos agentes, sejam eles naturais (como o Sol) ou artificiais (como os equipamentos de raios-X).

Esse processo de radiação é caracterizado pela emissão e deslocamento da energia em qualquer meio, inclusive o vácuo. Ela está em praticamente todos os lugares e coisas, o que importa é o nível em que a radiação é emitida, ou seja, quando controlada ela não prejudica em nada a saúde do organismo.

Quando emitida em níveis mais altos, a radiação pode prejudicar as pessoas por não haver uma forma exata de controlá-la. Nesse sentido, a atuação de equipamentos de radioproteção foram desenvolvidos para serem utilizados nos mais diversos setores de modo a garantir a segurança dos envolvidos.

O que é radioproteção?

A proteção contra radiação ou proteção radiológica é um conjunto de medidas para proteger as pessoas e o meio ambiente dos efeitos indesejados que podem ser causados ​​pelas radiações ionizantes.

Portanto, analisar as diferentes fontes de radiação, os diferentes tipos e como ela interage com organismos vivos e não vivos, possíveis e subsequentes efeitos e riscos à saúde, é essencial neste ramo.

Para avaliar esses possíveis efeitos, é necessário definir:

  • valores de radioatividade
  • suas unidades;
  • instrumentos de medição;
  • detalhes dos diversos processos de utilização das radiações ionizantes.

Sem dúvidas, a área da radiação é uma das mais complexas e que exige muita responsabilidade dos profissionais! A saúde dos trabalhadores e o meio ambiente podem estar em jogo, por isso muitas indústrias procuram empresas que se concentrem em segurança industrial e proteção contra radiação.

Além de confiança e segurança, ao contratar um serviço de radioproteção de qualidade, a indústria também reduz custos, pois transfere parte da responsabilidade pela manutenção e gerenciamento de material radioativo para uma empresa. Dessa forma, as empresas evitam problemas trabalhistas e legais permanentes, que são difíceis quando se trata de radiação.

Quais são as normas e procedimentos para radioproteção?

radiacao
imagem: pexels

Para garantir a segurança dos profissionais e pacientes que são envoltos pela radiação, existem algumas normas e procedimentos básicos que priorizam, acima de tudo, a saúde do organismo. Saiba mais!

ICRP – A Comissão Internacional de Proteção Radiológica é uma organização independente, internacional e não governamental que tem por objetivo fornecer recomendações e orientações sobre proteção radiológica, além de definir procedimentos de emergência, no caso de funcionamento de uma organização ou radiologia praticada sem ordenar.

ICRU – A Comissão Internacional de Unidades e Medidas preocupa-se com dimensões e unidades e com o processo de seu desenvolvimento e modificação.

Os parâmetros estabelecidos nas publicações do ICRP e ICRU incluem recomendações internacionais. Cada país pode ou não aplicá-los, parcial ou totalmente, dependendo de seu estágio de desenvolvimento, capacidade ou viabilidade em cada área de aplicação.

IOE – Exposição Ocupacional Individual, ou seja, um termo para medir a exposição humana normal ou potencial durante o trabalho de uma pessoa, equaciona fontes de exposição, vias de exposição adicionais ou contato prolongado com mais pessoas.

As empresas que manuseiam material radioativo, mesmo que apenas como parte ou como resultado de um processo de trabalho, são obrigadas a seguir as normas da CNEN caso desejem continuar seu trabalho.

Princípios de Radioproteção

Uma verdadeira cultura de segurança relacionada à proteção contra radiação deve incluir processos básicos como: estrutura, organização, prática, competência, treinamento, conhecimento, compreensão compartilhada e cooperação.

Geralmente, as medidas de Segurança Física e do Trabalho são acompanhadas de medidas de Proteção Radiológica, para evitar condições insalubres e perigosas, que podem prejudicar os trabalhadores industriais.

No entanto, as regras de radioproteção são muito rígidas, pois quando o limite máximo permitido é ultrapassado, quase nenhum dano é encontrado.

É importante seguir os princípios e cuidados estabelecidos pela organização que controla e dirige todos os eventos dentro e fora da área de trabalho envolvendo substâncias radioativas, para evitar problemas legais, trabalhistas e financeiros.

Os 3 princípios fundamentais da Radioproteção são:

Justificação

A radiologia auxilia muito na identificação de patologias, mas seu uso só deve se tornar uma possibilidade mediante a comprovação e a justificação da necessidade do exame.

Otimização

Os Princípios ALARA exigem melhoria na proteção contra radiação em todos os casos em que possa ser controlada por medidas de proteção, especialmente na seleção, planejamento de equipamentos, sistemas operacionais e de proteção.

Restrições

Exige-se que uma determinada dose por Pessoas Expostas Ocupacionais (IOEs) e indivíduos em locais públicos não ultrapasse os limites de dosagem anuais estabelecidos.

Além disso, a Radioproteção tem a função de limitar a probabilidade de efeitos aleatórios.

Cuidados de Radioproteção

Além das recomendações e obrigatoriedades informadas no tópico anterior, é preciso que todos os profissionais de radioproteção tomem alguns cuidados extras em todos os procedimentos vigentes. Em suma, eles são: tempo, distância e blindagem. Confira mais abaixo!

Tempo

O tempo de exposição é um dos maiores responsáveis em qualquer procedimento ou exame. É essencial que o responsável por comandar os instrumentos esteja atento ao tempo exato que é preciso para a execução. Na prática isso quer dizer que:

  • menor tempo de exposição: os efeitos causados pela radiação são mínimos
  • maior tempo de exposição: maiores consequências da radiação no corpo

Distância

Para uma fonte pontual de radiação em todas as direções, o fluxo proporcional à taxa de dose a uma determinada distância da fonte, é inversamente proporcional ao quadrado dessa distância.

A lei do inverso do quadrado é dada por: onde o nível de tensão a uma distância r1 da fonte  é o nível de tensão a uma distância r2 da fonte.

Observe que dobrar a distância entre a fonte e o detector reduz a dose média para um quarto do valor original. Portanto, a maneira mais fácil de evitar a exposição à radiação ionizante é ficar longe da fonte.

Blindagem

Ao trabalhar com fontes fortes ou altos níveis de radiação, além da capacidade de um técnico treinado é necessário o uso de um escudo/escudo como elemento de proteção.

A escolha deste material depende do tipo de radiação, da função da fonte e dos níveis aceitáveis ​​fora da blindagem.

Código de Prática de Radioproteção

Todas as instalações que trabalham com materiais radioativos devem preparar um documento chamado “Plano de Proteção Radiológica”, que descreve as diretrizes de Proteção Radiológica que serão compartilhadas por toda a instalação e todos aprovados pela equipe.

Elementos-chave que um bom programa de Proteção Radiológica deve incluir:

  • Identificação do ambiente e seu Proprietário (Admin);
  • Função, classificação e definição de áreas de instalação;
  • Descrição da equipe do Serviço de Proteção Radiológica, veículos e equipamentos;
  • Além disso, o Plano de Proteção Radiológica deve definir as qualificações do proprietário da instalação (gerente), do Gerente de Proteção Radiológica e do IOE da Instalação.

Todos devem definir claramente suas responsabilidades no plano.

FAQ

Como devemos proteger o paciente em uma tomada radiográfica?

Por meio dos principais EPIs que devem ser usados. Eles são os protetores de tireóide; aventais de chumbo, óculos plumbíferos, protetor de gônadas, entre outros.

Quais são as três formas de proteção contra a radiação?

As 3 formas básicas de proteção contra a radiação ionizante são o tempo, a blindagem e a distância.

Quais os meios de proteção radiológica?

Avental de chumbo ou plumbífero; óculos plumbíferos; protetores de gônadas e protetores de tireóide.

Como é feita a proteção radiológica?

Através dos equipamentos de proteção corretos, bem como de normas e condutas previamente estabelecidas e que devem ser respeitadas de forma integral.

Foto de Ademar Junior

O Autor

Ademar Junior

Administrador. Mestrando em administração. MBA em gestão empresarial. Especialista de Produtos da área de Imagem na Alliage.

Veja mais de "Ademar Junior" >

Leia também: